dismiss-alert
header-area-background-wrapper
site-banner
center-left-menu

Como funciona?

1 min de video
center-right-menu

Suíça

A Antiga Confederação Helvética foi uma aliança entre as comunidades dos vales dos Alpes Centrais. Foi a base da democracia mais direta do mundo e de um dos países modernos mais desenvolvidos.

Setor bancário na Suíça

Os bancos suíços são conhecidos por serem das melhores, mais estáveis e mais fiáveis instituições financeiras do mundo. Sendo um dos principais setores de atividade na Suíça desde a sua fundação, os bancos suíços beneficiam da reputação de qualidade e competência inigualáveis junto dos seus clientes.

História

As riquezas trazidas pelos mercenários suíços deram um impulso ao setor bancário suíço no século XVIII, a par das riquezas de vários comerciantes. O Wegelin & Co. foi fundado em 1741 e era o mais antigo banco na Suíça até ser reestruturado num novo banco em 2013. O Hentsch & Cie e o Lombard Odier são dos mais antigos bancos na Suíça, fundados em 1796 em Genebra, com o The Pictet Group a ser fundado em 1805 como banco comercial. Cerca de um terço de todos os fundos a nível mundial que estão fora do respetivo país de origem, designados geralmente referida como fundos "offshore", estão guardados na Suíça.

Instituições Bancárias

Existem 327 bancos e corretores de valores mobiliários autorizados na Suíça. O setor bancário na Suíça é regulado pela Autoridade Federal de Vigilância dos Mercados Financeiros (FINMA).

Legislação e Regulamentação

A tradição suíça de sigilo bancário remonta à Idade Média. A neutralidade e a soberania nacional da Suíça, há muito reconhecida pelas nações estrangeiras, fomentaram um ambiente estável em que o setor bancário se desenvolveu e prosperou. A Suíça manteve a neutralidade nas duas Guerras Mundiais, não é membro da União Europeia e não foi membro das Nações Unidas até 2002.

A Autoridade Federal de Vigilância dos Mercados Financeiros (FINMA) supervisiona a maioria das atividades relacionadas com o setor bancário, bem comi os fundos de investimento e os mercados de valores mobiliários. A Lei de Supervisão do Mercado Financeiro Suíço (FINMASA) e o Artigo 98 da Constituição Federal Suíça conferem à FINMA a sua autoridade. A Assembleia Federal Suíça aprovou a Lei Federal sobre Bancos e Caixas Económicas em 1934. É amplamente reconhecido que as disposições em matéria de confidencialidade da lei de 1934 foram adicionadas na sequência da tentativa pela Alemanha Nazi de investigar os ativos dos "inimigos do Estado" guardados na Suíça.

Sigilo Bancário

O Direito Bancário de 1934 qualifica de infração penal o ato de revelação do nome do titular da conta por parte de um banco Suíço. A privacidade dos clientes do banco está protegida por esta lei, que é de natureza bastante semelhante às proteções da confidencialidade entre médicos e pacientes ou advogados e clientes. O Governo suíço encara o direito à privacidade como um princípio fundamental que deve ser protegido por todos os países democráticos. Apesar de a privacidade estar protegida, um promotor de justiça ou juiz suíço tem o direito de emitir uma ordem para conceder às autoridades responsáveis pela aplicação da lei acesso às informações relevantes para uma investigação criminal.

Pagamentos Eletrónicos

O Sistema de Compensação Interbancária Suíço (SIC) é o sistema de pagamentos eletrônicos usado pelos bancos suíços. O Banco Nacional da Suíça supervisiona o sistema, que é gerido por uma joint venture. A SIC gere mais 200 a 250 milhões de operações todos os anos, com um volume de negócios de CHF 40 a 45 biliões.

Serviços Bancários

A SFM está associada a uma rede alargada de bancos privados e importantes na Suíça. Todos os bancos para os quais remetemos os nossos clientes oferecem uma plataforma bancária internacional, com contas com várias divisas (£, € e $), além de banca online e cartões de crédito/débito. A Suíça é também um dos poucos países que oferecem "cartões anônimos" (também denominado Cartões de Débito em Viagem) para contas bancárias de particulares e empresas.

Depois de concluída o seu pedido, ser-lhe-á atribuído um gestor de conta que o irá orientar nos procedimentos de abertura da conta bancária. Em seguida, vamos selecionar consigo, de forma criteriosa, entre os nossos principais parceiros, aquele que se adaptar exatamente às suas necessidades.

Quais os documentos necessários para abrir uma conta bancária?

O Banco terá de confirmar a identidade e morada de todos os clientes que abram contas bancárias. Os signatários e beneficiários efetivos terão de apresentar os seguintes documentos, que serão tratados como confidenciais:

  • Cópia autenticada do passaporte devidamente certificada com Apostila
  • Certificado de Residência original ou a última Declaração de Impostos (emitido há menos de três meses)

Em caso de contas bancárias empresariais, o banco irá também solicitar um conjunto de documentos certificados da empresa, que consistirá em:

  • Certidão de registo comercial
  • Pacto social e estatutos
  • Registo de acionistas e diretores
  • Um certificado de idoneidade ou certificado de incumbência se a empresa tiver mais de 12 meses
  • Últimas contas auditadas/perfil da empresa, se disponível

Enviar-lhe-emos por email, em anexo, os formulários bancários adicionais necessários para abrir a conta, os quais deverá assinar e devolver preferencialmente por correio especial (DHL, FedEx ou Chronopost), juntamente com os outros documentos acima referidos.

Stars