História

As Maurícias são retratadas na primeira prova escrita da sua existência num mapa desenhado pelo cartógrafo italiano Alberto Cantino no ano de 1502. A ilha desabitada à época foi visitada por navegadores portugueses em 1507. Recebeu o nome de Maurícias de um esquadrão naval holandês liderada pelo Almirante Wybrand Van Warwyck e foram anexadas pela Holanda para serem usadas como base naval. Mais tarde, a ilha tornou-se uma colônia francesa até os franceses se renderem aos britânicos em 1810, durante as guerras napoleônicas. As Maurícias são independentes desde 1968 e são uma república dentro da Commonwealth das Nações desde 1992.

Desde 1968, as Maurícias têm-se desenvolvido progressivamente de uma economia de baixo rendimento, baseada na agricultura, para uma economia altamente diversificada com uma classe média. Turismo, açúcar, têxteis e serviços financeiros são os principais pilares da sua economia. Nos anos mais recentes, setores como as tecnologias de informação e comunicação, a hotelaria e desenvolvimento imobiliário, e as energias renováveis tornaram-se também importantes.

Instituições Bancárias

As Maurícias têm mais de 25 bancos comerciais, 18 depositários autorizados e várias empresas licenciadas para serviços monetários. O Banco Central das Maurícias e a Comissão de Serviços Financeiros são os reguladores dos serviços financeiros na Maurícia.

Legislação e Regulamentação

As leis que regulam o sistema penal das Maurícias têm uma parte de direito civil francês e outra de comum britânico. Em 2011, o setor de serviços financeiros representava 15% do produto interno bruto, com a contabilidade de negócios global a representar 5%. Emprega 15.000 pessoas. A sua adesão à União Africana e à Comunidade de Desenvolvimento da África Austral conferem-lhe um acesso preferencial aos mercados na África, Europa e Estados Unidos. Um estudo recente feio pelo Secretariado da Commonwealth constatou que as Maurícias foram um dos centros financeiros internacionais mais regulados no mundo em desenvolvimento, classificados bem acima dos seus principais rivais, Singapura e Chipre.

Sigilo Bancário

As Maurícias estão classificadas na 19ª posição do Índice de Sigilo Financeiro de 2014. As Maurícias são responsáveis por menos de 10 do mercado global de serviços financeiros offshore, pelo que tem uma dimensão média entre as jurisdições que praticam o sigilo, com um potencial muito elevado de crescimento futuro. Estima-se que em 2014 as Maurícias tenham reservado mais de USD 60 mil milhões em ativos e depósitos graças ao sigilo apertado. As Maurícias não divulgam nem evitam a formação de "trusts" (fideicomissos) e fundações privadas, não guarda as informações de propriedade das empresas em registos oficiais, nem exige que as informações de propriedade ou financeiras das empresas estejam publicamente disponíveis online. As Maurícias gozam de popularidade em termos de estabilidade e crescimento, com a jurisdição a ser considerada um centro estável e confidencial para fazer depósitos ou guardar ativos ao mesmo tempo que participa plenamente na comunidade financeira internacional moderna.

Pagamentos Eletrónicos

As Maurícias são membro da Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais (SWIFT). A rede SWIFT é o mais seguro e protegido sistema para transações financeiras a nível mundial.

Serviços Bancários

A SFM está associada a uma rede alargada de bancos privados e importantes nas Maurícias. Todos os bancos para os quais remetemos os nossos clientes oferecem uma plataforma bancária internacional, com contas com várias divisas (£, € e $), além de banca online e cartões de crédito/débito.

Depois de concluída o seu pedido, ser-lhe-á atribuído um gestor de conta que o irá orientar nos procedimentos de abertura da conta bancária. Em seguida, vamos selecionar consigo, de forma criteriosa, entre os nossos principais parceiros, aquele que se adaptar exatamente às suas necessidades.

Quais os documentos necessários para abrir uma conta bancária?

Regra geral, o banco solicita uma cópia autenticada do passaporte do acionista e do diretor (beneficiário efetivo), bem como uma prova de residência recente, com menos de três meses. Se o cliente visitar o banco pessoalmente para abrir a conta, não será necessária uma cópia autenticada do passaporte.

Vamos enviar-lhe por e-mail, sob a forma de anexo, os documentos adicionais necessários para a abertura da conta que terá de assinar e devolver, de preferência por correio especial (DHL, FedEx ou Chronopost), juntamente com os outros documentos mencionados anteriormente.