História

São Vicente foi alvo de uma grande disputa territorial entre a França e o Reino Unido no século XVIII, com vários confrontos militares entre os dois impérios, tendo sido finalmente cedido aos britânicos em 1783. São Vicente tornou-se independente em 1979. Vivem na ilha cerca de 100.000 pessoas.

São Vicente foi uma colónia francesa durante grande parte do século XVII, antes passar para o domínio britânico no final do século XVIII. São Vicente e Granadinas é agora membro da Commonwealth das Nações. A economia de São Vicente é muito diversificada. O setor bancário, a par do turismo e do comércio internacional, tem vindo a impulsionar o crescimento económico desde a sua independência. O setor financeiro continua a ser um importante pilar da economia, com banca a assumir a liderança. São Vicente tornou-se um centro bancário conhecido para as pessoas com elevado património espalhadas pelo mundo. Muitos banqueiros chamam-lhe "a nova Suíça" e os cidadãos da Europa Ocidental e da Ásia usam-no como um importante polo de negócios. São Vicente não sofreu como muitos outros países durante a crise econômica internacional, com os seus bancos a manterem-se estáveis e rentáveis, reforçando a sua excelente reputação.

Instituições Bancárias

Apesar de São Vicente ser uma pequena ilha-nação, conta com 42 bancos autorizados. O setor bancário em São Vicente é controlado e regulado pela Autoridade de Serviços Financeiros de São Vicente e Granadinas.

Legislação e Regulamentação

São Vicente é uma jurisdição bancária offshore reconhecida e respeitada. A Autoridade de Serviços Financeiros de São Vicente e Granadinas é o principal organismo de administração e regulação dos bancos registados em São Vicente. Além disso, a pertença à Commonwealth das Nações contribui para a estabilidade dos depósitos bancários. Isto inclui os juros acumulados até à data de maturidade do depósito ou até à data em que o depósito venceu. Os depósitos em nome de um particular e/ou empresa efetuados junto de bancos diferentes são considerados como depósitos separados.

Sigilo Bancário

São Vicente foi classificado na 62ª posição mundial no Índice de Sigilo Financeiro de 2014, um cálculo baseado na sua quota do mercado global em serviços financeiros offshore. São Vicente é responsável por cerca de 1% do mercado global de serviços financeiros offshore. A Legislação Bancária de São Vicente afirma que todos os funcionários, diretores, gestores, agentes, etc., e quaisquer pessoas que tenham acesso aos registos de um banco estão proibidos de revelar de qualquer forma qualquer informação sobre a conta de qualquer cliente individual do banco, mesmo depois de extinta a relação laboral com o banco.

Pagamentos Eletrónicos

São Vicente e Granadinas é membro da Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais (SWIFT). A rede SWIFT é o mais seguro e protegido sistema para transações financeiras a nível mundial.

Serviços Bancários

A SFM está associada a uma rede alargada de bancos privados e importantes em São Vicente e Granadinas. Todos os bancos para os quais remetemos os nossos clientes oferecem uma plataforma bancária internacional, com contas com várias divisas (£, € e $), além de banca online e cartões de crédito/débito. O São Vicente também oferece serviços de cartão de crédito pré-pago para as contas bancárias para particulares e empresas.

Depois de concluída o seu pedido, ser-lhe-á atribuído um gestor de conta que o irá orientar nos procedimentos de abertura da conta bancária. Em seguida, vamos selecionar consigo, de forma criteriosa, entre os nossos principais parceiros, aquele que se adaptar exatamente às suas necessidades.

Quais os documentos necessários para abrir uma conta bancária?

Regra geral, o banco solicita uma cópia autenticada do passaporte do acionista e do diretor (beneficiário efetivo), bem como uma prova de residência recente, com menos de três meses. Se o cliente visitar o banco pessoalmente para abrir a conta, não será necessária uma cópia autenticada do passaporte.

Vamos enviar-lhe por e-mail, sob a forma de anexo, os documentos adicionais necessários para a abertura da conta que terá de assinar e devolver, de preferência por correio especial (DHL, FedEx ou Chronopost), juntamente com os outros documentos mencionados anteriormente.